A nona geração de finalistas do ensino politécnico abrangido pelo projecto Liceus Eifel, parceria de responsabilidade social da Operadora francesa TOTAL e o Estado Angolano, está em fim do ciclo e prepara-se para o ensino universitário. Entre os 192 promissores talentos estão o Luciano Tito, Campeão Nacional das Olimpíadas de Matemática 2018, e Anílcia Huote, vencedora do concurso de redacção das escolas secundárias dos países membros da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), 2019.

Quatro Liceus Eifel operam há uma década nos municípios de Caxito, na província do Bengo, Ondjiva, na província do Cunene, Ndalatando, na província do Kwanza Norte, e Malanje. Cada Liceu oferece 48 vagas por ano, tendo como critérios o exame de admissão, a 9.ª classe concluída, idade inferior a 18 anos e boas bases a Matemática.

“Graças ao meu pai. Foi informado que existia uma escola em que a disciplina que eu entendo melhor, a matemática, é privilegiada”, conta Luciano Tito, 17 anos, do Eifel Caxito.

“O meu recado vai mesmo para as mulheres. Que elas não se excluam. Tentem! Por mais que seja difícil. Devemos sempre persistir”, alerta Anílcia Huote, 17 anos, de Ndalatando, que sonha ser engenheira de construção civil ou então médica.

São três anos lectivos, oito horas por dia, numa metodologia híbrida e bilingue, português-francês, sobretudo para cadeiras nucleares como a Matemática, Física e a Biologia. Pelo menos cem dos melhores alunos ganharam bolsas em universidades francesas e angolanas.

Luciano, que sonha ser engenheiro de produção petrolífera ou químico, mora distante da escola e por várias vezes teve de ir a pé, mas nem isto abalou o foco. Daí a proeza de vencer nas Olimpíadas Nacionais de Matemática, promovidas pelo Ministério da Educação.

“Começamos nas olimpíadas interescolares em Caxito. Passei para a segunda fase, que é a fase municipal, no Dande. Fiquei na primeira posição. Depois passei para a fase provincial onde também fui o primeiro classificado. Fui apurado para as Olimpíadas Nacionais de Matemática, e na fase final também fiquei em primeiro lugar.”

Anílcia advoga que “os governantes devem dar mais oportunidades aos jovens a fim de que estes possam expor as suas actividades e devem recrutar os estudantes com potencial.”

Recorde-se que com a aprovação da Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANPG), a Concessionária Nacional, a rede escolar Eifel, lançada com fundos da TOTAL, adopta o modelo de custos recuperáveis, no âmbito dos projectos financiados pelo Bloco 32.