Novo Consórcio de Gás Natural arranca com assinatura de contrato de serviço

O novo consórcio do gás que junta a Sonangol às multinacionais BP, Chevron, Total e Eni vai iniciar a produção em 2022, anunciou a 28 de Outubro, em Luanda, o Presidente da Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis.

Paulino Jerónimo, que falava na cerimónia de assinatura do acordo relativo ao desenvolvimento de gás não-associado com os membros integrantes do consórcio, realçou que o projeto, um investimento de dois mil milhões de dólares (1,8 mil milhões de euros), irá beneficiar a economia angolana, permitindo o fornecimento contínuo de gás à Angola LNG e, consequentemente, o fornecimento de gás ao ciclo combinado do Soyo e à uma futura fábrica de fertilizantes que o Governo angolano quer construir com apoio da Rússia.

Além disso, acrescentou, permitirá criar “vários postos de trabalho”, pois a construção do projecto será desenvolvida por empresas locais. O responsável da ANPG adiantou que a negociação com as petrolíferas durou cerca de dez meses (entre janeiro e outubro).

A constituição do consórcio foi feita por convite e envolveu uma negociação directa com as empresas, antecipando “o previsível declínio do fornecimento de gás à Planta Angola LNG a partir de 2022”.

O acordo prevê a partilha de custos proporcional à participação de cada empresa. Nos termos do acordo, o consórcio poderá explorar, desenvolver e produzir hidrocarbonetos na área de contrato (blocos 1,2, 3 e 14/15), sendo este “o início da implementação da estratégia do executivo que visa o incentivo” à produção de gás natural.

 

previous arrow
next arrow
Slider