Imagem ilustrativa

A PRODUÇÃO FOI INICIADA APENAS NOVE MESES APÓS A DESCOBERTA

Nesta etapa da actividade foi alcançado um fluxo de cerca de 10 mil barris de petróleo/dia, com a projecção de atingir os 20 mil barris/dia nos próximos meses.

A Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANPG), na qualidade de Concessionária Nacional, a operadora italiana ENI e parceiros anunciam o início da produção de petróleo do campo offshore Agogo, localizado no Bloco 15/06 no “offshore “ Angolano, nove meses após a sua descoberta. O feito é fruto das sinergias desenvolvidas com a Unidade Flutuante de Produção, Armazenamento e Descarga (FPSO) Ngoma, centro de produção do Pólo Oeste, localizada a cerca de 15 km do campo.
A ENI Angola é operadora do Bloco 15/06 desde 2006, com uma participação de 36.84%, sendo os outros parceiros a Sonangol P&P com 36.84% e a SSI Fifteen com 26.32%.

O arranque deu-se com a perfuração do poço Agogo-1 a uma profundidade de água de aproximadamente 1,700 metros, tendo sido alcançado um fluxo de cerca de 10 mil barris de petróleo/dia, com a projecção de atingir os 20 mil barris/dia nos próximos meses. Estima-se que o campo contém reservas na ordem dos 650 milhões de barris de petróleo, com potencial adicional que poderá ser verificado após a perfuração de novos poços de delimitação.

A facilitação e empenho da ANPG, bem como o compromisso da ENI em desenvolver os recursos descobertos por meio do modelo denominado “fast track”, permitiu que em tempo recorde este campo entrasse em produção em apenas nove meses após a descoberta realizada em Março passado. O desenvolvimento do Agogo-1, utilizando infraestruturas já existentes, maximizando assim o valor do projecto, será feito por etapas ou seja à sua produção acelerada (produção inicial) e o desenvolvimento subsequente de todo o potencial, após a conclusão da campanha de delineamento, por meio de um novo pólo de desenvolvimento.

As descobertas ocorridas no Bloco 15/06, nos períodos de pesquisa de 2006-2011 e 2011-2014, levaram à efectivação de dois projectos denominados Pólo Oeste e Pólo Este (West Hub e East Hub), através da instalação de duas FPSOs, que iniciaram a produção, respectivamente, em 2014 e em 2017. Os dois barcos de produção desenvolvem oito campos através de 42 poços submarinos e a sua produção total no final de 2019 ultrapassou os 180 milhões de barris de petróleo.

A partir do segundo semestre de 2018, a ENI Angola e os parceiros do grupo empreiteiro (Sonangol e SSI Fifteen) lançaram uma nova campanha de pesquisa no Bloco 15/06, levando à descoberta de cinco novos reservatórios que, segundo estudo preliminares, contêm cerca de 2 mil milhões de barris de petróleo “in place”, volumes que duplicam substancialmente os descobertos e desenvolvidos pelas instalações do Pólo Oeste e Pólo Este.

Angola confirma-se um país-chave para a estratégia de crescimento orgânico da ENI, onde está presente desde 1980, contando actualmente com uma cota-produção de aproximadamente 145 mil barris de petróleo equivalente/dia.