A contrapartida do Estado angolano, representado pela Concessionária Nacional, enquadra-se nos custos recuperáveis e reforça os investimentos de responsabilidade social previstos no Contrato de Partilha de Produção, enquanto que da parte da BP Angola, o financiamento dá sequência aos investimentos destinados a atender às necessidades sociais e comunitárias.
A Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANPG), na qualidade de Concessionária Nacional, e a BP Angola, em parceria com o Grupo Empreiteiro dos Blocos 18 e 31, garantem um acordo de financiamento adicional de USD 6.1 milhões para acções de desminagem a serem levadas a cabo pela ONG Halo Trust, na província de Benguela. O Acordo foi assinado hoje entre a Operadora Britânica e a Halo Trust, em Luanda. O montante resulta de uma contribuição na ordem de 60% de fundos próprios da BP (equivalente a USD 3.5 milhões), sendo que o Estado angolano contribui com 40% de forma equitativa através dos Blocos 18 e 31 (num total de USD 2.6 milhões).
O novo financiamento vai apoiar o projecto “100 Mulheres na Desminagem” da Halo Trust. A iniciativa foi lançada em 2017 reconhecendo que as mulheres rurais de Angola sofrem desproporcionalmente com a pobreza, desemprego e falta de oportunidades. O projecto consiste na desminagem de campos de forma segura, enquanto capacita as mulheres através do emprego e formação.
Este financiamento vai gerar emprego para 129 pessoas, incluindo mais de 100 mulheres na província de Benguela. No total, o projecto visa devolver 135 hectares de terra – o equivalente a 191 campos de futebol – à população local para uso seguro, incluindo agricultura.
As mulheres são recrutadas em comunidades afectadas pelas minas. Além de dar formação e o apoio necessários para desminar a terra com segurança, a iniciativa também vai formar mulheres em técnicas de saúde, mecânica, logística, finanças e tecnologias de Informação, dando-lhes flexibilidade de desenvolvimento de carreira para futuros empregos, incluindo na Halo Trust.
A contrapartida do Estado angolano, representado pela Concessionária Nacional, enquadra-se nos custos recuperáveis e reforça os investimentos de responsabilidade social previstos no Contrato de Partilha de Produção.

Da parte da BP Angola, o financiamento dá continuidade aos investimentos destinados a atender às necessidades sociais e comunitárias nas áreas da educação, desenvolvimento empresarial e capacitação em saúde, segurança e ambiente. Nos últimos 15 anos, a BP Angola investiu mais de USD 100 milhões em comunidades locais e iniciativas sociais.

Recorde-se que a ANPG assinou, em Londres, dois acordos com a petrolífera BP, à margem da Cimeira de Investimento Reino Unido-África. Os documentos criam as condições para a celebração de um contrato de serviços com risco, entre a Concessionária e os parceiros do Grupo Empreiteiro do Bloco 18, e estabelecem um financiamento adicional para projectos de desminagem na ordem dos USD 6,1 milhões.